sobre o percursos

PERCURSOS AFETIVOS é um projeto de narração itinerante de histórias de CADU CINELLI (ator, artista têxtil, contador de histórias e diretor teatral, integrante do grupo OS TAPETES CONTADORES DE HISTÓRIAS), que consiste na criação e realização de intervenções artísticas com bicicletas em espaços urbanos. Durante as intervenções, enquanto pedala com seu público, são contadas histórias ficcionais que se relacionam com os lugares e paisagens percorridas. O projeto teve suas duas primeiras intervenções pilotos em agosto de 2017 na cidade de Curitiba, para em seguida, ao longo do ano de 2018 ocorrer em diferentes pontos da capital paranaense e na região metropolitana. Em 2019 o projeto alcança outras cidades e formatos, tendo se apresentado no 5o Festival Nacional de Contadores de Histórias de Ponta Grossa (PR), na Feira Literária de Pinhais (PR) e na CASA DA LITERATURA PERUANA em Lima (Peru). Durante 2019 e 2020 o projeto ganha novos contornos ao ser levado como metodologia da pesquisa de Doutorado de Cadu Cinelli dentro do Programa de Pós Graduação em Geografia da UFPR, na linha de pesquisa Espaço, Produção e Cultura.

Além de Cadu Cinelli, o projeto tem a colaboração criativa do artista terapeuta Dag Bach que atua como contador de histórias em algumas das intervenções, assim como parceiro e apoiador das ações. Também há o apoio cultural da Bicicletaria Cultural, do Cicloativismo Fotografias que possibilitaram as ações ocorridas durante o ano de 2017 e 2018 na cidade de Curitiba.

Cada Percurso Afetivo tem suas histórias, personagens, lugares e paisagens. O público ouvinte e participante, formado por ciclistas em conjunto com o artista, que os guia ao longo do PERCURSO ouve narrativas e paisagens sonoras, que ressignifica o olhar sobre as rotas que atravessam a cidade, criando novas paisagens para os espaços, construindo uma nova cartografia afetiva para aquele lugar. As histórias narradas são sobre pessoas, lugares, animais, árvores que constituem a cidade, que participam da construção das paisagens urbanas. São aquelas pessoas que costumam estar a margem da normose, nos bastidores do drama burguês, ou que servem de pano de fundo para as questões sociais. Durante as narrações dos “percursos” estes que seriam coadjuvantes ou mesmo simples figurações telenovelisticas, ganham protagonismos e são responsáveis nos seus dramas em conduzir a trajetória onde são contadas suas histórias. É a história da Ludmila, da Guadalupe, Gerusa, Lúcido, Gilda, João Pedro, Francisco, do homem árvore, da moça que tinha um sonho que cabia num bolso, e tantas outras pessoas criadas para dar conta dos conflitos individuais, coletivos e sociais que habitam o cotidiano da cidade. Interessa ao projeto que as histórias de quem constrói os prédios em uma zona rica da cidade possam vir à tona, assim como daqueles que vem das regiões mais “periféricas” e precisam trabalhar no “centro” (quais paisagens carregam consigo?).

Até o presente momento foram criados 11 percursos afetivos com histórias diferentes, além de uma modalidade de intervenção que é feita com improvisação de curtas narrativas.

Para estas narrações de histórias itinerantes o veículo “bicicleta” se torna: agente responsável em transportar o público, colocando-o ativamente dentro da performance; meio e ponto de perspectiva para visão das histórias a serem criadas, e posteriormente, narradas na apresentação; ponto de questão para se discutir artisticamente o papel de um meio de transporte e de sua relação com o meio externo. Além desses pontos levantados, a apresentação também traz em seu cerne a discussão da utilização do espaço público, o quanto as histórias dos seus habitantes podem pertencer a esses espaços, e estes podem pertencer aos seus habitantes. A ressignificação, por meio da ação poética, pode potencializar o olhar do transeunte para revisão da paisagem que lhe era cômoda e habitual. Repensando os caminhos das produções espaciais, tanto para aquele público que participará ativamente da performance, quanto para aquele que de passagem verá um grupo de ciclistas em relação a algum espaço.

Ficha técnica:

Idealização, criação e performance: Cadu Cinelli
Colaboração criativa e performance: Dag Bach
Fotos: Doug Oliveira (Cicloativismo Fotografia) e Renato Mangolin
Assessoria de Comunicação: Glaucia Domingos
Produção e realização: Bilboquê Criações Artísticas e Culturais
Co-produção: Caleidoscópio Associação Cultural